Translate


Este Blogue é um estudo da Associação Projecto Raia Alentejana e tem como objectivo a discussão da violência em geral e da guerra na Pré-História em particular. A Arqueologia da Península Ibérica tem aqui especial relevo. Esperamos cruzar dados de diferentes campos do conhecimento com destaque para a Antropologia Social. As críticas construtivas são bem vindas neste espaço, que se espera, de conhecimento.

Guerra Primitiva\Pré-Histórica
Violência interpessoal colectiva entre duas ou mais comunidades políticas distintas, com o uso de armas tendo como objectivo causar fatalidades, por um motivo colectivo sem hipótese de compensação.


Thursday, 18 March 2010

Dezenas de portugueses são escravizados todos os anos

In Publico
Por José Bento Amaro
16.03.2010 - 07:46
A Polícia Judiciária (PJ) estima em mais de três dezenas as pessoas que, todos os anos, são vítimas de sequestro e traficadas de Portugal para Espanha, onde depois são escravizadas em instalações agrícolas.

O mais recente inquérito de sequestro, tráfico de pessoas e escravidão foi remetido ontem a tribunal através do Departamento de Investigação Criminal da PJ da Guarda e reporta-se a um caso que envolve um homem de 27 anos que, em Agosto do ano passado, terá sido transportado contra a sua vontade para uma quinta em Espanha onde trabalhou sem receber salário.

Há dois arguidos no processo, os quais ficavam com o dinheiro da vítima e a ameaçavam de cada vez que esta dizia querer voltar à sua terra.

Após a fuga do homem e denúncia do caso, a Polícia Judiciária concluiu que os suspeitos, de 33 e 48 anos, serão ainda responsáveis por um outro caso de escravidão, envolvendo um casal português, e suspeitos de terem praticado o mesmo delito com mais uma dezena de pessoas arregimentadas em pequenas aldeias da região da Serra da Estrela.

Segundo a Judiciária, as vítimas escolhidas pelos traficantes de seres humanos são pessoas com fracos recursos financeiros, que aceitam ir para Espanha a troco de vencimentos que em pouco excedem o ordenado mínimo em Portugal, e que também possuem "diversas debilidades", seja porque a sua instrução é muito reduzida ou porque são influenciáveis e cedem a chantagens.

São, muitas vezes, desempregados que, nas suas terras, não possuem qualquer ocupação.

No final do ano passado, no final de mais uma investigação deste tipo de crimes, a Polícia Judiciária chegou ainda a uma zona agrícola de Espanha onde os trabalhadores arrregimentados em Portugal eram, no final do dia de labuta, encerrados e acorrentados num aviário.

Quem procedia a esta tarefa eram os recrutadores, que também lhes ficavam com os vencimentos e com os documentos pessoais, de modo a dificultarem eventuais tentativas de fuga.

No caso do homem de 27 anos cujo inquérito foi agora concluído pela PJ não foram recolhidos indícios que apontem para a responsabilização dos proprietários das herdades espanholas para onde são encaminhadas as pessoas.

As investigações dizem que a total responsabilidade dos crimes é dos suspeitos identificados, os quais são não só angariadores, mas também raptores e até trabalhadores dessas mesmas explorações.

1 comment:

Nicas said...

A nossa natureza se não for controlada está sempre lá, até nos nossos dias onde supostamente deveriamos ser mais evoluídos.